sexta-feira, 5 de junho de 2015

Zuzu Angel - Símbolo de força e luta

Zuzu Angel, mulher batalhadora, símbolo de força materna e símbolo da luta contra a ditadura militar no Brasil.

Zuzu foi uma renomada estilista, e símbolo da luta contra a ditadura militar. 
 Precursora na moda brasileira, Zuzu misturava rendas, sedas, fitas, muito estampado e pedras brasileiras, fragmentos de bambu e de madeira, além de conchas.  Zuzu colocou um anjo como símbolo de sua marca.


 A estilista ganhou reconhecimento também através da procura pelo seu filho, Stuart Angel, que era estudante de economia e se juntou ao grupo MR-8, uma das organizações que combatiam a ditadura militar instaurada em 1964 no Brasil. O jovem foi preso em 14 de abril de 1971. Ele teria sido torturado e morto pelos militares, que o declararam desaparecido.

Zuzu foi informada que seu filho havia sido sequestrado, torturado e morto pelos órgãos de repressão. Stuart não forneceu as informações que os torturadores desejavam, então foi morto ao ser arrastado por um jipe, amarrado ao cano de escape do veículo, asfixiado pela fumaça do óleo diesel. Seu corpo não foi encontrado. 

                                   

Após a perda do seu filho, Zuzu
 
começou uma luta contra a ditadura. Buscando forças pela recuperação do corpo de Stuart, a estilista envolveu seu trabalho e até mesmo os EUA nas buscas. Ela lançou uma nova coleção estampada com manchas vermelhas, pássaros engaiolados e a temática de cunho bélico. Em 1971, chegou a fazer um desfile em forma de protesto no consulado brasileiro de Nova York.

Essa lutadora nunca aceitou a impunidade dos torturadores de seu filho, buscou ajuda de artistas, como Chico Buarque, este que Zuzu deixou uma carta uma semana antes do acidente, onde dizia ''se eu aparecer morta, por acidente ou outro meio, terá sido obra dos assassinos do meu amado filho”, dizia a carta.

                                    

Em sua homenagem, Chico Buarque fez uma música marcante e emocionante à eterna lutadora e guerreira, Zuzu Angel.

Zuzu também foi homenageada em um filme belíssimo, onde retrata toda a sua árdua luta e amor pelo seu filho. 
Em 1993, sua filha Hildegard Angel criou o Instituto Zuzu Angel.

                               

Sua luta acabou de 
maneira trágica na madrugada de 14 de abril de 1976. O carro que ela dirigia derrapou na saída de um túnel no Rio de Janeiro, capotou e caiu na estrada.                                               
                           

O caso foi investigado durante décadas até que, em 2014, Cláudio Antônio Guerra, ex-agente da repressão que operou como delegado do DOPS do Espírito Santo, escreveu o livro, Memórias de uma Guerra Suja, dando detalhes de diversos crimes da época, incluindo a morte de Zuzu Angel.

Cláudio Antônio Guerra destacou a presença do coronel do Exército Freddie Perdigão, famoso agente da repressão e torturador, em uma das fotos do local do acidente que matou a estilista, tirada em 14 de abril de 1976. Para a Comissão da Verdade, que investigou o caso, a imagem era uma comprovação do envolvimento de militares na morte de Zuzu.

                             
Merecedora de todo reconhecimento, Zuzu  recebeu uma homenagem do Doodle do Google, nesta sexta-feira (5), data em que faria 94 anos. 

                              

Nenhum comentário:

Postar um comentário