sexta-feira, 25 de setembro de 2015

Comissão aprova estatuto que define família composta somente por homem e mulher

Ontem (25-09), a comissão especial da Câmara aprovou o Estatuto da Família, que conceitua família a partir da união entre homem e mulher, excluindo as relações homoafetivas. A comissão aprovou o relatório por 17 votos favoráveis e 5 contrários.
                         

Criado pelo 
deputado Anderson Ferreira (PR-PE), a proposta tramita na casa desde 2013. O texto dispõe sobre os direitos da família e as diretrizes das políticas públicas voltadas para atender a entidade familiar em áreas como saúde, segurança e educação.


O deputado Bacelar (PTN-BA) defendeu que os homossexuais têm direito de receber igual proteção às famílias compostas por casais heterossexuais. '' 
O projeto está excluindo, punindo e discriminando a família formada por um casal homoafetivo. Está fomentando a intolerância. É isso o resultado desse projeto de lei", disse.
O deputado Takayama (PSC-PR) interrompeu a deputada 
Érika Kokay (PT-DF)  e gritou que "homem com homem não gera" e "mulher com mulher não gera".
Manifestantes acompanharam a votação segurando cartazes e interromperam alguns deputados.

Em todo o Brasil, 33.361 crianças e adolescentes vivem em unidades de acolhimento. É o que revela o Cadastro Nacional de Crianças e Adolescentes Acolhidos (CNCA), banco de dados criado pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ), em outubro de 2009. 
Segundo levantamento do CNA (Cadastro Nacional de Adoção), o Brasil tem 4.760 crianças e adolescentes disponíveis para adoção.

Nenhum comentário:

Postar um comentário