segunda-feira, 14 de setembro de 2015

União entre as mulheres em prol da segurança - Vamos juntas?

Uma entre cada 14 mulheres já foi, ao menos uma vez em sua vida, vítima de abuso sexual (estupro e assédio), por alguém que não é seu parceiro. Essa pesquisa alarmante comprova a situação que muitas mulheres enfrentam no dia a dia, seja no trabalho, nos transportes públicos ou na rua.
                                           

A partir desses dados e observando os acontecimentos sucessivos, Babi Souza, jovem jornalista, criou o movimento "Vamos juntas?" . Babivista como uma jornalista idealista que tem o sonho de mudar o mundo,  fundou o movimento onde busca a liberdade de ir e vir em segurança das mulheres. Na página do movimento há inúmeros relatos de mulheres, onde contam situações em que foram salvas por outras mulheres.





Com isso foi criado a  página, onde meninas de todas as regiões se conhecem e marcam encontros para não andarem sozinhas e ajudar outras mulheres em situação de vulnerabilidade na rua, evitando assédios ou até mesmo estupros. Em entrevista, Babi contou "o objetivo era postar apenas nas minhas redes sociais para contar a essa ideia para as minhas amigas. A repercussão foi tanta que em menos de duas horas pessoas de fora do meu círculo de amizade estavam compartilhando a imagem e perguntando se tínhamos página, aí me senti obrigada criá-la."
Babi relatou o diferencial do "Vamos juntas", que é "dar esperança e valorizar a união. Poucas páginas nas redes sociais tem esse objetivo. Além disso, ele trouxe a questão do empoderamento da mulher através do amor e da união, uma perspectiva diferente da maioria dos grupos que dizem buscar igualdade de gêneros e que costumam ser carregados de raiva."

                         
                                

A jornalista esclareceu que homens não são banidos da página, até porque há o ato da conscientização e afirma "entendemos que a igualdade de gêneros deve ser interessar aos dois gêneros, uma perspectiva diferente da maioria dos movimentos intitulados feministas."


Agora através do Catarse será financiado a continuidade do movimento e a criação e manutenção de um aplicativo, onde os encontros entre as mulheres do movimento tornarão possíveis.

                     


Orgulhosa do seu projeto, Babi afirma "a incrível ideia de que as pessoas têm o poder de melhorar as suas vidas através da união e que juntos podemos mais e somos mais felizes. A velha ideia de que a união faz a força e de que ao invés de reclamar dos poderes, devemos nos propor, juntos, a deixar o nosso mundo um pouquinho melhor.


                               







2 comentários:

  1. Nossa, adorei o movimento! Parabéns pelo post, Rapha, e por divulgar aqui no blog ideias legais como essa!

    ResponderExcluir
  2. Muito legal mesmo, Malu! A união fazendo a força e é isso que deveria acontecer em todas as regiões. Muito obrigada!

    ResponderExcluir